InícioBlogEventosVídeosOs autoresContatoRecomendamos

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Novos tipos de investimento. Conheça e aproveite...

É
natural que à medida em que vamos aprimorando nossas pesquisas em busca da independência financeira, nós busquemos novas alternativas, novos caminhos para alcançar nossos objetivos, e que a partir daí, conheçamos formas de investimento mais elaboradas, que o mercado oferece aos investidores como forma também de aumentar seus lucros e seus volumes de negócios, evidentemente.

Já falamos neste blog sobre poupança, fundos de investimento, ações e outras formas de investir seu dinheiro no mercado financeiro, e até mesmo fora dele, pois já falamos aqui também sobre empreendedorismo. Assim, acredito que este é um bom momento para aprofundarmos um pouco mais as nossas conversas e abordar uma forma de investimento mais complexa, que requer análise e planejamento. Estamos falando dos chamados COEs. Você sabe o que significa?

Conhecendo as COE

Certificado de Operações Estruturadas ou COE, é uma forma de investimento que mescla elementos de renda fixa e renda variável, uma forma de investimento relativamente nova, que é um derivativo com mecanismos de proteção ao capital investido, de forma que se o investimento não lograr êxito, o investidor não sofre perdas, apenas deixa de obter ganhos. É um tipo de investimento recomendado quando se quer buscar rentabilidade sem riscos extremos, o que também implica na limitação dos ganhos, que quando acontecem são divididos com os bancos e corretoras.

Investir em COEs pode trazer bons retornos
Crédito da foto: Blog do Investidor
Quem investe nas COEs, tem a possibilidade até mesmo de investir em ativos estrangeiros, mas sem enfrentar toda a burocracia e dificuldades que teria se investisse diretamente, sem o auxílio das COEs, de maneira que há ao menos um indício de democratização de investimentos mais complexos.

Observe que há diversas possibilidades para as COEs, podendo ser com capital protegido (que impede as perdas) ou com valor em risco (onde pode-se perder todo o valor investido), podendo investir em certificados para ativos de câmbio, commodities, ações, etc... Considere, portanto, as COEs para investimentos de recursos que não serão movimentados em um horizonte de 6 meses a 3 anos, afinal, os ativos que compõem as COEs normalmente tem pouca liquidez. Outro motivo para esta recomendação é que prazos maiores que este, envolvem mais riscos, porque quanto maior o tempo de exposição ao risco, mais difícil fica para os analistas fazerem as projeções.

Diferentemente de outros tipos de investimento, as COEs não são isentas do imposto de renda, mas a alíquota cobrada é a mínima de 15% sobre os rendimentos, ou de 20% em caso de compra e venda no mesmo dia (day trade). Além disto, os fluxos dos pagamentos podem ser apenas no vencimento ou periódicos.

Assim, abordamos mais uma modalidade de investimento e tomara que você possa conhecer, aproveitar e sair ganhando, dando mais rapidez ao seu projeto de independência financeira.