InícioBlogEventosVídeosOs autoresContatoRecomendamos

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Luiza wants you!

O
s usuários do Facebook certamente já viram um anúncio do Magazine Luiza oferecendo a grande oportunidade de criar sua própria loja virtual de produtos. Denominado de Magazine Você, a plataforma de e-commerce é uma aposta da loja de departamentos num segmento que já se mostrou altamente rentável para qualquer empresa, desde que usado com inteligência: o das redes sociais.
Particularmente, sou admirador da pessoa de Maria Luiza Trajano, a presidente do Magazine Luiza. Batalhadora, inteligente, visionária e, acima de tudo, segura do que faz e diz. Posso até estar enganado em vários aspectos, mas creio que seja ponto pacífico o fato de que o Magazine Luiza vem se expandindo solidamente nos últimos anos e, para isso, não tem poupado em inovação tecnológica e em relacionamento com o consumidor. Depois da vendedora virtual Lu, agora Luiza Trajano quer um exército de vendedores focados e qualificados. Luiza quer você!
A filosofia do Magazine Você é muito simples: arregimentar, sem vínculo empregatício, um número extraordinário de vendedores virtuais, cada qual com sua expertise em determinada "seção da loja", os quais venderão principalmente para seus amigos de Facebook. Para o "vendedor virtual", a depender do tipo de produto, as comissões de vendas variam de 4 a 8%, inclusive dos produtos que o próprio "vendedor virtual" adquirir em sua própria loja. As compras são feitas online através da própria plataforma, sem maiores preocupações do vendedor com manutenção da página, ferramentas de e-commerce ou logística de entrega. Tudo fica por conta do próprio Magazine Luiza. Chega a ser mais fácil que trabalhar com Marketing Multinível, além de ser supostamente mais seguro.
Trata-se de uma grande sacada da loja de departamentos, potencializando suas vendas em todo o Brasil por meio da loja virtual, através de uma estratégia de relacionamento com o consumidor pioneira no país. Ou seja, não é mais o Magazine Luiza me vendendo produtos, mas sim o meu amigo mais chegado ou até mesmo minha esposa ou filha. A depender da sua rede de relacionamentos e do poder aquisitivo dele, seu retorno pode ser considerável.
Naturalmente, não se trata de uma tábua de salvação nem substitui uma fonte de renda tradicional no sustento da família. Considere-o uma renda extra para complementar o orçamento familiar. Exemplificando: supondo que o leitor opte por vender produtos do setor de Informática (6%) e Ferramentas e Segurança (6%), por ter mais afinidade e conhecimento nessa área, e tenha divulgado para seus cerca de 500 amigos da rede (que, em geral, têm interesses semelhantes ao do vendedor) uma oferta de notebook no valor de R$ 1 mil. Suponhamos ainda que três amigos resolveram comprar aquele produto pela loja virtual do leitor e concluíram a transação com êxito. Nesta venda total de R$ 3 mil, o vendedor ganha R$ 160,20 de comissão - por lei, o Magazine é obrigado a recolher 11% para o INSS. Quando o montante da comissão chega a R$ 1,5 mil, há recolhimento de IR na fonte. Ainda assim, nada mau para um empreendimento de baixíssimo custo!
Segundo a página de ajuda do Magazine Você, a única contraindicação é para os beneficiários do seguro-desemprego, pois eles podem perder o benefício. Não há informações sobre beneficiários do Bolsa Família, mas acredito que também seja um impeditivo.
Assim, o Magazine Você é uma opção bastante interessante para o educado financeiramente obter um pequeno rendimento extra para compor o orçamento ou para aplicar em investimentos, conforme artigos anteriores publicados neste blog. Recomendamos ao leitor que visite o site da ferramenta e leia com bastante atenção e cautela todas as informações disponíveis, para assegurar-se de que se trata do tipo de negócio em que gostaria de se envolver.
Sucesso a todos!