InícioBlogEventosVídeosOs autoresContatoRecomendamos

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Dinheiro e prazer combinam?

A
situação financeira influencia em diversas outras áreas das vidas das pessoas e das famílias. Isso não é novidade e todo mundo sabe, afinal, quem não lembra de um momento em que a grana ficou curta, mas havia ainda algumas contas para pagar e alguns dias até chegar o próximo salário? Você deve lembrar da sensação de angústia ou de preocupação que deve ter passado pela sua cabeça e de como essa situação afetou sua vida.

Então, por vivermos em uma sociedade capitalista, na qual por mais desapegados que sejamos, somos todos influenciados pelo poder do "vil metal". Afinal, ele é o que nos permite o acesso aos mais diversos bens e serviços, inclusive àqueles que são imprescindíveis à nossa sobrevivência, de forma que a aflição sentida pela falta de dinheiro não é somente um capricho, fetiche ou algo de menor importância, mas sim um problema com sérias consequências.

Desta forma, sabendo que todas as áreas da vida são afetadas pela disponibilidade ou pela falta de dinheiro, não seria de se supor que com a vida sexual das pessoas esta relação fosse diferente. Muito pelo contrário! Chamou-me a atenção o resultado de uma pesquisa espanhola na qual foi constatado que o status e a renda auferida influenciam na satisfação sexual das mulheres (veja aqui).

A conexão entre dinheiro e satisfação sexual, em termos gerais, é a mesma que há entre o dinheiro e diversas tantas outras necessidades humanas: é o poder de escolha, o poder de decidir. Quem tem independência financeira, ou ao menos uma situação financeira estruturada e organizada, define o que quer e o que não quer, o que admite e o que não admite para sua vida. A pesquisa mostra que as mulheres de melhor situação financeira simplesmente reagem mais rápido aos abusos, procuram soluções e alcançam um nível de satisfação maior.

Eis aí mais um bom motivo para investir na sua educação formal e na sua educação financeira, a conquista de possibilidades e a realização de sonhos, e por tabela, de níveis cada vez mais elevados de satisfação pessoal, ao menos na teoria, afinal o dinheiro sozinho não resolve tudo, ainda que ajude substancialmente e seja indiscutivelmente importante para nosso desenvolvimento.