InícioBlogEventosVídeosOs autoresContatoRecomendamos

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Empreender: depois não diga que não foi avisado...

É
muito comum encontrar nas livrarias publicações dedicadas aos empreendedores, apresentando exemplos felizes e altamente bem-sucedidos de empresários que começaram do zero e fizeram fortuna com negócios tradicionais ou não, prosaicos ou exóticos. Outros até citam casos não tão felizes, indicando como causas de morte das empresas a falta de recursos, mau dimensionamento do negócio ou falta de capacitação do empreendedor. Entretanto, existem muitos outros fatores que podem levar um empreendimento à derrocada, desde a ideia fixa do empreendedor até a falta de apoio dos familiares.
Recentemente tive o prazer de ler "O Livro Negro do Empreendedor - Depois não diga que não foi avisado", do empresário espanhol Fernando Trias de Bes, do qual fiquei sabendo ao pesquisar sobre empreendedorismo em tecnologia da informação no blog do Nei Grando. Trata-se de um dos melhores livros sobre o tema que já li em minha vida. Recomendo a leitura não apenas para quem pretende empreender, mas também para investidores, especialmente aqueles que pretendem investir em startups, pois ele trata justamente das armadilhas que costumam cercar o candidato a empreendedor desde a constituição da empresa até a sua maturidade.
Diante do mercado favorável ao empreendedorismo nacional, conforme já discorremos no artigo anterior, é natural uma certa euforia em relação ao assunto. Entidades como o Sebrae, que divulgou em julho deste ano uma nova pesquisa sobre a taxa de sobrevivência das empresas com base num lapso de tempo de dois anos (2007 a 2010), comemoram uma melhoria nesse item. Segundo o Sebrae, em média 75,6% das empresas sobrevivem ao segundo ano de atividade. Em verdade, é de suma importância para a economia do país que mais empresas sejam abertas e sobrevivam, especialmente as de micro, pequeno e médio portes, pois são elas que mais geram empregos e agregam valor às comunidades em que estão inseridas.
Contudo, a empresa é um espelho daquele que a cria e conduz. Reflete seus valores, suas crenças e sua forma de gerir; seus medos, seus problemas e suas carências. Fala-se muito em não levar os problemas de casa pro trabalho e vice-versa, mas na prática isso é impossível, especialmente quando você é a alma da sua própria empresa e muitas vezes precisa contar com seus familiares para tocar o negócio.
Um dos pontos que Trias de Bes trata com bastante zelo é a respeito da formação de sociedade. Ele é taxativo quando diz "se puder, não tenha sócios". E ele traça com bastante propriedade os motivos pelos quais ter sócios, ao menos no início do empreendimento, não é uma boa ideia. No geral, convida-se para a empreitada um amigo íntimo (ou colega de bar), um parente ou alguém que tenha algum talento que é importante para o negócio.
Contudo, frisa Trias de Bes, nenhum dos motivos é forte o bastante para justificar a presença dessas pessoas no negócio, exceto quando o se trata de sócios capitalistas (aqueles que injetam dinheiro na empresa). Alguém com talento para o negócio pode simplesmente ser contratado como empregado ou prestador de serviços (freelancer). As questões relacionadas a parentesco, amizade ou outras igualmente subjetivas, com o passar do tempo, se mostrarão ser mais um problema do que uma solução.
Em todo o livro, o escritor espanhol desmistifica muitas ideias que povoam o imaginário do candidato a empreendedor: a de que "minha ideia é original e será um grandioso sucesso", "terei mais tempo para minha família", etc. E é aí que reside a sua importância, por alertar e trazer à reflexão sobre os verdadeiros fatores que levam o empreendedor ao sucesso.
O educado financeiramente deve estar atento a estes fatores, tanto os que levam ao sucesso como os que levam ao insucesso, para fazer boas escolhas, seja como empreendedor, seja como investidor em pequenas empresas. As oportunidades virão àqueles que estiverem preparados para recebê-las. E só iremos recebê-las quando pudermos reconhecê-las quando aparecerem. Afinal, sempre é possível vir joio junto com o trigo...
Sucesso a todos e Feliz 2014!