InícioBlogEventosVídeosOs autoresContatoRecomendamos

terça-feira, 13 de novembro de 2012

O mercado de ações está mudando.


O
cenário de investimentos no Brasil vem passando por mudanças importantes, que interferem nas análises dos investidores, ensejando cada vez mais redefinições criteriosas das estratégias e das decisões de investimentos, cada vez mais difíceis, não porque a economia brasileira esteja em crise, ainda que nos últimos anos venha apresentando um crescimento anual do PIB frequentemente abaixo da inflação.

Aqueles que investem em ações tem percebido que alguns fatores estão dificultando os ganhos, a começar pelo próprio índice IBOVESPA que em alguns casos chega a acumular 4, 5 ou 6 pregões consecutivos em queda. A variação do índice desde 01/01/2012 até hoje foi de apenas 0,55%, o que é um resultado indiscutivelmente baixo e este movimento, chamado no mercado de "andar de lado" causa desconfiança entre os investidores.

Este resultado fraco da bolsa tem origem nas crises econômicas externas, que provocam fugas de capitais para recompor fundos sediados em outros países, bem como tem origem também nas quedas das ações de empresas que eram tidas como as melhores "apostas", as blue chips, como Petrobrás, Vale e Banco do Brasil. Tais quedas tem a ver com a perspectiva de lucros menores destas empresas, decorrente de decisões do governo brasileiro. Além disto, outros bancos e empresas do setor energético, estas últimas tradicionais pagadoras de dividendos generosos, também vivem a mesma situação.

Desta forma, o investidor vai dispondo de cada vez menos alternativas para obter ganhos razoáveis, já que a SELIC, que referencia muitos investimentos em renda fixa, está em apenas 7,25% a.a. e a caderneta de poupança está com rentabilidade de pouco mais de 5% a.a., e agora o mercado de ações tem tido saída de recursos ao invés de entrada, o que resultaria nos movimentos de alta tão desejados. Então, o que fazer?

Acredito que podemos ainda obter bons resultados através de títulos do Tesouro Direto, observando que os pré-fixados estão sendo vendidos com ágio bastante elevado, já que a SELIC está baixa e com ações, mas agora é preciso conhecer outras alternativas, fora dos setores que comumente eram os mais atraentes e uma boa possibilidade é o setor de telefonia, que já tem uma concorrência consolidada, paga bons dividendos e não deve ser afetado agora por decisões do governo.