InícioBlogEventosVídeosOs autoresContatoRecomendamos

domingo, 11 de setembro de 2011

Finanças Pessoais: vamos ser realistas!

Caros,

Na semana passada, eu li o livro "Livre-se das dívidas", de Reinaldo Domingos. A obra trata, evidentemente, do endividamento, que é um aspecto que interessa a muitos brasileiros e além disto, foca nas questões de: superação do endividamento, que pode derivar em construção da independência financeira, e definição de dívidas de valor e dívidas sem valor, ou seja, dívidas que "precisam" ser contraídas e dívidas que não precisamos contrair.

Em suma, é um bom livro, com boas explicações sem sombra de dúvida, mas não é este o aspecto que quero destacar aqui. O que eu quero discutir é um exemplo dado no livro, que não o desabona, mas que ilustra uma questão já abordada neste blog (clique aqui), sobre exemplos nem sempre realistas e que fazem parecer que alcançar objetivos financeiros é mais fácil do que de fato é.

O exemplo que questiono no livro é sobre a compra de um imóvel, cujo financiamento poderia ser substituído por um investimento mensal de R$ 634,00 mensais, além da permanência em um imóvel alugado, pagando R$ 400,00, durante 9 anos. Sinceramente, ainda que meramente hipotético, eu não consigo conceber tal exemplo como razoável para locais de alto custo de vida como Salvador e outras capitais, ainda mais considerando que uma família que pode economizar este valor para comprar um imóvel, opte por morar em um imóvel tão simples, que é o possível de alugar com R$ 400,00 mensais. Além disto, ao longo de 9 anos, haveriam reajustes anuais do aluguel, que ao longo deste período estaria em um valor muito maior, produzindo um resultado diferente para a estratégia.

Desta maneira, ressalto aqui a necessidade de aproveitar sim estes conhecimentos sobre  finanças pessoais e propostas de estratégia, mas de forma crítica, refletindo sobre sua viabilidade e adequação, o que nem sempre acontece. Você pode estar perguntando: "mas é possível alcançar as diferentes realidades financeiras?" Claro que não, mas os exemplos podem sim e devem (ou ao menos tentar), refletir a realidade da maioria.

Até a próxima, pessoal!!!!!