InícioBlogEventosVídeosOs autoresContatoRecomendamos

sábado, 1 de janeiro de 2011

Como controlar o orçamento doméstico

Começa mais um ano, e com ele, as pessoas fazem diversas resoluções, sendo que uma delas normalmente é (ou ao menos deveria ser): “controlar meu orçamento doméstico”.  Porque? A razão mais óbvia, e creio, a que é mais pensada pelas pessoas, é evitar que seus gastos extrapolem sua renda. Só que existe algo ainda maior e que está encoberto por esta visão inicial: a possibilidade de ter recursos para investir (seja num negócio, em ações, em moedas estrangeiras, etc...) e alcançar a independência financeira.
Porém, vamos falar mesmo é de controle de orçamento propriamente dito, em termos básicos. A primeira coisa que deve ser feita, é um rigoroso registro de todos os gastos (de qualquer valor) por um período de 2 ou 3 meses. Após isto, haverá uma definição mais clara da destinação de sua renda. Uma vez feito isto, será preciso verificar a natureza de suas despesas, que conforme José Pio Martins, se dividem em: obrigatórias fixas e variáveis e não-obrigatórias fixas e variáveis.
Em linhas gerais, entendemos que: despesas fixas são aquelas cujo valor está definido e sabe-se quanto será gasto mensalmente. Já as despesas variáveis são aquelas cujo valor não é pré-determinado. Quanto à obrigatoriedade, explico que as despesas obrigatórias são as essenciais, como: energia elétrica, água, vestuário e moradia. As despesas não-obrigatórias são as não essenciais à sobrevivência.
Desta forma, agora que as despesas são conhecidas e estão classificadas, pode-se determinar de onde cortar gastos, e proponho duas coisas:
1ª: que este corte não se restrinja a apenas uma despesa (desde que não seja uma despesa totalmente dispensável), que reduza um pouco dos valores de diversas despesas, para que o efeito psicolólogico não seja tão contundente.
2ª: priorize os cortes de despesas não-obrigatórias variáveis, por serem as menos essenciais, nas quais pode-se realizar os cortes que sugeri acima, e pelo fato de serem as que mais são propagandeadas para nós, consumidores.
Agindo assim, você está sendo responsável consigo mesmo e sua família, e colocando-se em posição de realizar investimentos.
Desejo um Feliz, rico e próspero 2011!!!!